Ágora, vocábulo grego referente à principal praça pública nas cidades da Grécia Antiga, é o mais recente projeto do Quórum – Fórum Político. Esta pretende fazer renascer uma nova Ágora, isto é, ser a principal praça pública digital, para a qual confluem os cidadãos da nova polis e promover o exercício da sua cidadania. Será um espaço onde os temas, que o artista considere relevante, serão tratados com honestidade e seriedade.

Funcionará digitalmente como uma coluna e contará com publicações (que vão desde o texto expositivo ao poema ou mesmo ao cartoon) mensais.

Maio! Mês de todas as coisas

Alice Santos " Vitória da voz das palavras feitas arma Paz onde céu e mar são cor de esperança." Maio! Mês de louvor Louvor às mães mães que lutam mães que amam mães que trabalham mães que nunca desistem Maio! Mês de gritar bem alto Gritar pela liberdade liberdade de...

read more

O Pardal da Ribeira

João Soares "Vivo, neste momento, num ontem permanente." Vivo, neste momento, num ontem permanente. Esperando o regresso deste presente inalcançável. Utopia que dava como, no passado, obtida. Porém, há esperança e essa antiga e já estranha normalidade se aproxima de...

read more

Autópsia

Emanuel Pinheiro "Se pensaste que ninguém choraria por ti, Eu chorei." Se pensaste que ninguém choraria por ti, Eu chorei. Se julgaste que não serias lembrada, Se tiveste medo de não te lembrares de ti Ou de te lembrares demais de quem foste E já não és, Eu...

read more

Edição especial: A Leste Nada de Novo

Daniel Pereira "O conceito de “estados-tampões” é vital para a Rússia (...)" Herdeira do espólio “imperial” remanescente da antiga URSS, ocupando o vácuo de poder deixado pela antiga superpotência durante metade do século XX, a Rússia tem montado aos poucos uma...

read more

E na terra houve a paz

Gabriel Falcão "E na terra adormecida, desconcertada esquecida, houve a paz, guerra." E na terra houve a paz. Não sei o que é paz sem a guerra, o sentir o sossego sem solidão, nunca haver o existido, um mal por um bem. E na terra adormecida, desconcertada esquecida,...

read more

O que nunca foi

Manuel Cunha "O que nunca foi, Senão no íntimo meu, Cresce não sendo, Resplandece, esmorecendo." O que nunca foi Nunca se viu. Chegou, pediu, Fez-se. ... Mas desfeito sumiu. O que nunca foi Quis sabor em sobeja, Trincar a doce cereja. Quis a ousadia. ... Mas essa Que...

read more

Cinema à Moda de Jackie Chan

Nuno Dias "Por isso da próxima vez que vires uma cena de ação, talvez acabes por apreciar mais quando ela não é feita às três pancadas." Vivemos numa época em que os efeitos especiais reinam e tudo passa a ser possível transpor realisticamente no ecrã, desde dragões...

read more

Nos capítulos que escreves

Beatriz Lourenço "E lembra-te que no caos, Por entre vocábulos e rasuras, És tu o poeta pioneiro A narrar por mãos imaturas O teu futuro derradeiro." Nos capítulos que escreves Não receies em deixar Perder-se pelos tempos Quem não se quer encontrar. Mas que temas...

read more

Viver depois de morrer.

Ana Moitinho "Quero viver no mundo, De todos e no teu." Deita-me ao lixo. Destroça-me, enforca-me. Enquanto puderes, fá-lo: Mata-me. Só não mates a minha alma. Chacina o meu corpo, Mas deixa a minha esperança viver. Distribui um pouco por todos, E deixa outro pouco...

read more

Baloiçar

Sofia Lopes "Parei de andar Não há mais Vento a soprar Não há chão Nem luz do luar Parei de baloiçar." Baloiço num presente desprovido de vida Densidade imaginada no vácuo sem saída Guincham as correntes Imploram por óleo Só uma gota! Algo E Nada. Pago a cota Do...

read more

Saudade

José Miguel Loureiro "Vulnerável bola de cristal Guardada no íntimo de um ser, Que acredita cegamente no teu regresso (...)"   Sentimento que aproxima Ou repreende sem razão... Mas será vergonha ou cobardia? Querer mais e não querer nada Com medo do que poderá vir......

read more

É em vão qualquer graça ou sentimento

Leonor Borges "É não ser mais que fruto da inconstância, E ter como constante nunca acalmar." É em vão qualquer graça ou sentimento Que por de humana natureza se tratar Tão docemente se revela tormento Como gravemente se deixa sossegar É perturbação, a cada momento, A...

read more

Se estiveres interessado em colaborar ou saber com mais pormenor os moldes nos quais vai funcionar a Ágora entra em contacto connosco!

AEFMUP

Alameda Prof. Hernâni Monteiro, Hospital de S. João, Piso 01, 4200-319 Porto