Ágora

s. f.
do grego antigo ἀγείρω ‎(ageírō): “reunir, juntar, agrupar”
I. principal praça pública nas cidades da Grécia Antiga.
II. Qualquer assembleia, especialmente se popular
III. Lugar de assembleia para: debate público, eleições, julgamentos, todos os tipos de negócios
IV. Praça com função de mercado público, onde o vaguear ocioso era considerado desonroso.

Cumprindo um desejo há muito adiado, o Quórum – Fórum Político da FMUP, apresenta a Ágora, um novo espaço de opinião e debate.

Ágora é, por definição, o lugar da res publica, da política virtuosa e interessada no bem-comum, da crítica, do debate, da justiça, da arte, da inovação, do empreendedorismo. Na Ágora condensa-se a vitalidade cosmopolita da metrópole, o cidadão incorpora a multidão e a multitude de circunstâncias e assuntos da vida comunitária.

Esta Ágora nasce da nossa irredutível ambição e assumida responsabilidade de abrir espaços públicos na comunidade, na crença de que neles descobriremos mais sobre quem somos e o que pensamos, e de que essa exposição é necessária ao apurar de uma identidade individual e colectiva, e à manutenção do espírito crítico e dinâmico, entre o embotamento do quotidiano.

Propomos, como sempre, a participação pública, na forma de artigos de opinião, críticas musicais, de teatro ou de cinema, peças jornalísticas ou literárias, denúncias, poemas, rúbricas, tiras, folhetins e afins.
Propomos o que vocês quiserem, mas sobretudo, propomos que queiram, que escrevam, que digam, que declamem, que reclamem, e que assinem por baixo!

Esta Ágora será lugar de todos os temas, todos os negócios, todos os ócios.
Será, acima de mais, lugar de todos.
E será.

Maria Isabel Lourenço de Barros Alves